[Fanfic] Keep Out! - Arquivo Confidêncial

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

[Fanfic] Keep Out! - Arquivo Confidêncial

Mensagem  Yami em Seg Jan 19, 2015 10:58 pm

Yayyyy, finalmente aqui estou eu com um dos meus projetos mais queridos, espero que gostem <3. Nesta fanfic eu pretendo contar em detalhes o passado da Lissandra =3

Como sempre, agradecimentos especiais a Kane-diva pela betagem e a Botan-também-diva pela ajuda na escolha do nome <3

Keep Out! - Arquivo Confidêncial
Sinopse: -Suponhamos que meu desejo fosse que todas as pessoas aqui nessa sala virassem escravos sem vontade própria com a mente controlada por mim quando renascessem para que eu possa usá-los como minhas cobaias. Você o concederia?

Lissandra Aeris; 20 anos


-Eu quero ser uma cientista! – Nem hesitou em responder – Eu quero descobrir coisas... Curar doenças e... Fazer do mundo um lugar melhor – O sorriso se alargou.

Lissandra Aeris; 6 anos


Capítulos
Capítulo 1 - Lissandra Aeris:

-Liss – As batidas de sua mãe na porta do quarto soaram como a marcha fúnebre de um condenado – Hora de levantar, você tem aula hoje, lembra?

Embora o tom da mulher fosse levemente risonho, a garota de cabelos negros que acabava de acordar não ria nem um pouco. Sua cabeça pesava, estava cansada e seu corpo doía, motivo? Quatro horas de sono, apenas. Passou o resto da noite estudando alguns artigos interessantes sobre nanotecnologia e como seu uso poderia ajudar a prolongar a vida das pessoas. Era uma coisa incrível teoricamente, pois as nano máquinas poderiam renovar continuamente os tecidos das pessoas e lhes conceder a imortalidade! Mas Lissandra sabia que aquilo era utópico demais para algo que ainda estava se desenvolvendo. A garota podia se orgulhar de ter uma mente com um pensamento lógico bastante desenvolvido até, algo que as pessoas esperavam de uma adolescente com 13 ou 14 anos.

E não de uma criança com seis anos de idade, como era o caso dela.

Cambaleante a garota levantou e foi pelo quarto pegando seu uniforme sem muito empenho. A bolsa já estava previamente arrumada no dia anterior e a água gelada do chuveiro ajudou-a a despertar um pouco, mas em sua barriga era possível ver algumas marcas de arranhões. Ferimentos que não foram causados por ela e que sua mãe não fazia ideia de que existiam.

-Bom dia, mãe, Keanu, Alek– A menina, desde sempre um pouco alta para a idade, deu um beijo na bochecha da mulher e sentou-se a mesa com seus irmãos. Alek era o mais velho – com 21 anos - e, assim como todos na família, era alto e tinha os cabelos negros – Que deixava arrepiados - e os olhos cinzentos; a barba levemente por fazer lhe dava um ar desleixado e, pelo que a pequena Lissandra podia notar, seu irmão fazia razoável sucesso com as garotas. Já Keanu era mais calado e deixava seus fios crescerem sem muito limite, os olhos escuros também estavam presentes nele.

-Liss, é impressão minha ou você teve pesadelos de novo? Tive a impressão de ouvir você falar algo a noite – O do meio comentou preocupado.

-... Foi impressão – A pequena nunca desejava tanto ter seu próprio quarto quanto naqueles momentos. Era difícil esconder aquilo de todos, mas sabia que era melhor assim.

-Liss, você vai se atrasar. Você também, Keanu, apressem-se – A mãe deu dois toques carinhosos na cabeça da filha e a garota sorriu inocentemente. Queria poder ver aquele sorriso no cansado rosto da mãe sempre.

Apesar da sua mente gritando para não ir e dando sinais de dor de cabeça, Lissandra terminou de comer, tomou dois copos cheios de café, escovou os dentes e foi com sua mãe e seu irmão. O caminho entre a casa parcialmente mal cuidada no subúrbio de Oxford e os respectivos colégios dos dois durava cerca de 30 minutos de carro.  Ao chegar, a garota se despediu de seus familiares com um beijo e foi para a sua sala.

Cada passo em direção a porta era um suplício, seu corpo começava a dar os sinais que já conhecia há algum tempo: Tremedeira, suor frio e dor de barriga. Mas tinha que ser forte, tinha que aguentar.

-Lissandra, bom dia! – Uma garota de sete anos, loira, com os cachos impecavelmente arrumados, acompanhada de uma menina de cabelos ruivos e sardas, a abraçou – Fez o que nós pedimos?

-Aqui – Murmurou tirando algumas anotações da mochila e entregando a outra menina – Todas as atividades que a professora passou ontem.

-Que bom! – A ruivinha assentiu feliz – Graças a você pudemos ir na festa de aniversário da Miriam ontem, não é, Michelle?

-Sim, Elena. Que bom que você é nossa amiga, Lissandra.

“Mas quando eu perguntei se podia ir à festa com vocês, vocês me chutaram no formigueiro”
A morena mordeu levemente o lábio inferior, como se pudesse sentir a dor voltar apenas com aquela lembrança.

Não podia falar para ninguém, não iriam acreditar. Aquelas garotas tinham cara de anjo e Lissandra não era tão inocente, sabia que numa disputa entre elas - que vinham de famílias abastadas, influentes, ricas - e ela - de uma família mais humilde cujo pai era quase alcoólatra e gastava exatamente 87,8% do dinheiro que ganhava em jogos de cartas (Sim, ela calculou) – a corda sempre arrebentava para o lado mais fraco. Poderia até ser expulsa da escola e não queria uma falha tão grande como essa no seu histórico escolar, não valia a pena.

Queria ser uma cientista, fazer uma descoberta que revolucionasse a forma como as pessoas enxergavam a ciência e ajudar o mundo a se tornar um lugar melhor conciliando ciência, arte e saúde. Faria as pessoas felizes. Esse era o seu sonho.
E para isso, precisava de um histórico impecável desde sempre.

-Bom dia, crianças – A professora entrou na sala e todos foram para seus lugares. Para o espanto de todos, era dia de prova surpresa.

o0o0o0o0o0o

Quando chegava a hora do almoço Lissandra sempre tentava fugir de tudo, mas como serpentes atrás da presa, Michelle e Elena insistiam em persegui-la onde quer que esteja.

-Qual letra você colocou na questão 3, Lissandra?

-Letra C.

-Errou – Elena riu – A certa é letra A, a letra que EU marquei e acertei.

Estufou o peito ao som das palmas animadas feitas por Michelle, mas Lissandra não sorria, gesto que despertou a ira da ruiva.

-Está com inveja porque eu acertei e você não? – Comentou com uma língua ferina demais para quem só tinha sete anos.

-Você não acertou – Lissandra pegou o livro dentro da mochila, abriu numa página qualquer e apontando um pequeno texto para as colegas – É só olhar essa parte, está exatamente igual à resposta, mas você chegou perto, porque da letra A para C são detalhes.
Michelle e Elena estreitaram os olhos e, sem aviso, a loira desferiu um bofetão no rosto de Lissandra e puxou seus cabelos.

-Por que você sempre tem que estragar tudo?! Nós estamos aqui, tentando ser suas amigas e você sempre, sempre vem com essa de ser a melhor!

Lissandra fechou os olhos.

-Tá me machucando.

-Mas é pra você aprender – Elena falou com voz doce – Não se corrige as amigas, entendeu? Amigas são pessoas que estão conosco para todas as horas e apoiam tudo o que a gente faz. Entendeu?

-Entendi – Lissandra murmurou quieta, na esperança de que Michelle soltasse sua cabeça.

-Não é o suficiente – A loira decidiu e, sem avisar, empurrou a cabeça da morena em direção ao chão fazendo um baque soar.
Lissandra gritou, algumas pedras pequenas perfuraram sua testa, as meninas não deram atenção.

-Como se diz quando erra?

-Desculpa – Murmurou.

-Mais alto!

Seu rosto foi pressionado em direção ao chão e Lissandra não viu alternativa.

-ME DESCULPA! Não vou mais corrigir vocês!

-Melhor assim, agora somos amigas novamente – Elena sorriu e a garota sentiu Michelle soltar sua cabeça – Oh, sua testa está sangrando! – A ruiva fingiu preocupação – Vá lavar isso para a professora não ver!

Lissandra não demorou a pegar as suas coisas e sair dali correndo sem conseguir segurar as lágrimas de dor.

E de humilhação.
avatar
Yami
Guardian
Guardian

Feminino
Mensagens : 658

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Fanfic] Keep Out! - Arquivo Confidêncial

Mensagem  Botan-chan em Seg Jan 19, 2015 11:23 pm

Crianças podem ser as pragas da humanidade... Essas duas são a prova disso. Se bem que do jeito que dona Aeris cresceu, deve ter feito as duas de cobaia logo no inicio. Eu aprovaria.
Q
Amei cara ;A; Queria ter seu dom de escrever assim ;A;



Sensualizo como ninguém!!!!!!!!!!!!! *dancinha*
avatar
Botan-chan
Medium
Medium

Feminino
Mensagens : 1794
Idade : 25
Localização : Terra dos Unicórnios

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum